SÓNIA BALACÓ

Zona da sessão: Fundação Champalimaud
Convidada: Sónia Balacó
Actriz
Menina ou Moça?
Todas.


P

Se isto fosse o teu perfil numa rede social, qual era o ‘sobre’ da Sónia Balacó?
Human being turned model turned actress turned master of all things to be. Undercover writer.

P

O que andas a fazer por Lisboa?
Escrevo, maioritariamente poesia, ensaios e crónicas. Como actriz, entre outras coisas, vão poder ver-me em “Freud und Friends”, o segmento realizado por Gabriel Abrantes na longa metragem “Aqui, em Lisboa”, que estreou no Indie Lisboa e terá estreia comercial daqui a uns meses. Dou também a cara ao Infante D. Henrique na video-instalação de Julião Sarmento que está na Casa do Infante, no Porto, e estive também na adaptação de Romeu e Julieta com elenco completamente feminino encenado pela Joana Linda no Festival Temps d’Images.

P

Qual o projecto profissional de que te orgulhas mais?
Olhando para trás, sinto-me grata por todo o percurso percorrido mas, também, por se manter intacta a crença de que está tudo por fazer. Tenho uma vontade de arriscar e experimentar que creio que me acompanhará sempre.

P

Um piropo a Lisboa.
o amor que te tenho é maior assim à distância tenho-te o amor que conseguia adivinhar sem ver o amor que é só teu e pelo que de mim ficou medrando na tua pele de paralelo no teu bafo de rio no teu reflexo sete da manhã.

P

Um lugar especial da cidade com uma história.
Antes de ir para Londres morei na Expo durante um ano e lembro-me de que ao início sentia que aquele pedaço de terra não tinha história, ao contrário do centro da cidade por onde tantas vezes imaginei o Pessoa a caminhar. A Expo parecia-me um pedaço de tela branca, e essa sensação era estranha e nova. Depois de vários meses a morar lá, apercebi-me de que a tela deixara de ser branca porque agora passava por lá a minha história.

P

Um roteiro para o dia perfeito na cidade?
Ando imenso a pé e adoro perder-me e descobrir sítios novos. O meu percurso mais percorrido é Campo de Ourique (casa) – Estrela – Camões – Chiado – Baixa, mas também já fui a pé de Telheiras até casa. Um dia perfeito na cidade tem de incluir uma paragem para ler num sítio com sol e ver o pôr-do-sol no rio.

P

Um tasco, uma tasca, um boteco ou um botequim.
O restaurante O Bitoque, em Campo de Ourique.

P

 

Um link que valha a pena fazer um clique.
Estou viciada neste blog que colecciona testemunhos-que-parecem-anedotas de mulheres que trabalham na indústria cinematográfica e foram alvo de misoginia. O pão nosso de cada dia, e não é só nesta indústria.
www.shitpeoplesaytowomendirectors.tumblr.com

P

Um evento ou um espectáculo imperdível.
Dia 26.05 – Projecção do filme “Deus Branco” (que foi rodado com mais de 200 cães de canis, os quais foram todos adoptados no final da rodagem). A sessão é às 21h na LxFactory e está aberta também a cães. As receitas revertem totalmente a favor da SOS Animal.
Dia 28.05 – Concerto de lançamento do novo disco de Moullinex, “ELSEWHERE”, Lux, às 23h.
Dia 29.05 – Espectáculo de Kalaf Epalanga que reunirá música, poesia e convidados inesperados. Carta Branca, às 21h no CCB.

sonia11p

Três segredos sobre ti.
– Nunca entrei no Castelo de São Jorge.
– A única prática que faz frente à minha preguiça é o yoga.
– A minha biblioteca tem uma área dedicada ao Quinto Império e ao Sebastianismo.

P

Apresenta uma outra Menina ou Moça de que Lisboa vai ouvir falar.
Aqui vão duas: a Pauline Foessel (directora da galeria Underdogs) e a Sónia Baptista (performer, coreógrafa, escritora, dramaturga, poeta e artista visual).

P

Quase a terminar, um clássico: que pergunta faltou fazer?
Onde é que se pode ler o que escreves? Fica aqui o link para algumas crónicas no P3:
– Fernando Pessoa escolha-multipla
– Saudades: Já chorei em aeroportos ao deixar quem não queria ver partir
– Sokurov e o museu como espaço de direito do cinema

P

Qual das fotos da sessão usarias como imagem de perfil?

sonia14

Agradecimentos: Fundação Champalimaud
Look: Mango

 

Lisboa, Maio 2015.

 

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail